O Conselho Federal agora deve ser consequente

O sim dos suíços no mês de novembro à Lei-Covid constitui sem sombra de dúvidas, uma base sólida para o combate governamental a pandemia, combate institucional que não existe na Alemanha ou na Áustria. Na Suíça, as medidas de combate a pandemia atual tornaram-se diretrizes sociais e judiciais. Lei.

Os bate-bocas em todas as esferas e os conflitos ideológicos debatidos tão intensamente na Suíça nos últimos meses estavam diretamente ligados ao referendo do governo e as propostas jurídicas que visam combater a propagação da pandemia, a Lei-Covid. A democracia direta força debates sobre questões que fermentam nossa sociedade. Trazem a luz conflitos que nas democracias representativas muitas vezes permanecem por muito tempo sob o radar cotidiano.

No entanto, uma vez que as batalhas eleitorais são travadas, a democracia direta também tem um efeito curativo e integrador. Embora ainda exista uma discussão acirrada nas redes sociais, o movimento dos oponentes da medida perdeu notavelmente em força, unidade e carisma desde a derrota na segunda votação.

Apenas algumas semanas atrás, quando “Mass-Voll”, os Freedom Trysts ou os “Amigos da Constituição” convocaram um protesto, aquilo parecia ser uma manifestação de uma possível maioria que estava sendo ignorada pela política oficial – mas em novembro, tudo ficou mais claro.

Enquanto os conflitos e protestos estão realmente ganhando força na Áustria e na Alemanha, na Suíça, essas manifestações dissiparam depois das eleições. Porque aqueles que votaram “não” à Lei Covid agora também sabem que as medidas refletem a maioria da sociedade, não é um governo excessivamente zeloso. É importante notar que na Suíça existe um alto nível de confiança nos referendos, especialmente entre aqueles que tendem a criticar os que estão no poder. Então semear dúvidas sobre o resultado, como nos EUA, não existe por aqui.

Com seus dois testes de votação aprovados em junho e novembro, a liderança política agora teria um mandato único e mais: um mandato claro. A maioria neste país deseja um controle eficaz no combate a pandemia e proteção do sistema de saúde contra sobrecarga.

Mas enquanto referendos e iniciativas reais ou meramente ameaçadores geralmente lançam suas ondas de choque na política muito à frente e paralisam os que estão no poder, os resultados da votação positivos são freqüentemente esquecidos com surpreendente rapidez. Em vez de energia, a hesitação volta a dominar no Conselho Federal. A experiência do outono passado mostrou que a confiança no governo é mais afetada quando ele deixa de assumir sua responsabilidade de liderança durante a crise.

Se hoje as pessoas que não se vacinaram contribuem significativamente para que o sistema de saúde alcance seus limites, se pessoas não vacinadas contribuem com suas ações para que as esferas da vida de todos os outros sejam restritas e que a economia também sofra desvantagens – então a ponderação de interesses, não pode ser mais clara.

Desprezar os outros e enganá-los, cria distancias em relacionamentos. Sempre saber tudo melhor também não ajuda. No entanto, quando um governo legitimado democraticamente age como deve, o respeito e fundamentado. A responsabilidade da liderança inclui a disposição de ser consequente – se necessário, com um certo grau de severidade. Essa dureza nunca deve ser excessiva, nunca humilhante e nunca demonstrativa.

Compartilhe!