A Suíça e o comportamento no trânsito

A Suíça esta mudando – as pessoas encontram-se longe dos transportes públicos, optando por bicicletas e carros. Segundo uma pesquisa, a crise na saúde mudará permanentemente as preferências de mobilidade no país.

Por causa do vírus corona, o povo suíço quer usar o transporte público com menos frequência no futuro. As empresas de transporte e as autoridades devem agora desenvolver soluções flexíveis que considerem as mudanças climáticas e as necessidades de mobilidade ao mesmo tempo.

Como mostra uma pesquisa da consultoria Deloitte Switzerland, há uma mudança de comportamento, que prioriza o transporte privado. A razão por trás disso, é o medo generalizado de que o vírus possa ser contraído no transporte público. Portanto, muitas pessoas querem mudar para bicicletas normais e eletrônicas ou carros.

Cerca de um terço dos entrevistados acredita que no futuro eles estarão cada vez mais a pé, com suas motocicletas ou de bicicletas. Cerca de um quarto dos entrevistados planeja viajar com menos frequência em trens, ônibus, bondes e táxis.

Antes da Pandemia estourar, de acordo com o Escritório Federal de Estatística, cada pessoa na Suíça passava uma média de 90 minutos por dia no trânsito.

A pesquisa mostra que o tráfego de pedestres e bicicletas aumentará nas cidades. As demandas por uma infraestrutura adequada para pedestres e bicicletas já seriam temas cotidianos. Outra solução também poderia ser o uso de pedagio das estradas para regular o transporte privado motorizado entre as cidades. A crise do vírus Coroa também mudou a maneira como as pessoas trabalham na Suíça. A pesquisa mostra que muitos querem continuar trabalhando em seus escritórios de casa em determinados dias no futuro.

As autoridades agora devem considerar a tendência crescente dos escritórios domésticos ao planejarem o tráfego nas grandes cidades. Os planos para projetos de infraestrutura de transporte devem ser reconsiderados ou adaptados às novas circunstâncias.

Para levar em consideração as mudanças nas necessidades de mobilidade, as autoridades e as empresas são obrigados a flexibilizar o tráfego cotidiano e promover conceitos de mobilidade, tais como aluguel de bicicletas elétricas, compartilhamento de carros ou fácil acesso a motos elétricas e a rede de meios de transporte.

No entanto, a tendência de “mobilidade individual” não deve impedir a Suíça de avançar com a redução de CO₂ conforme planejado.

A Deloitte realizou a pesquisa representativa em meados de abril com 1 500 pessoas entre 18 e 65 anos que moravam na Suíça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares