Governo faz balanço da crise na saúde

“Devíamos ter introduzido o obrigatoriedade da máscara mais cedo”. A representante do Conselho Federal Simonetta Sommaruga se defende das críticas levantadas por cientistas que contestam o tempo de reação do governo perante a crise da saúde.

Segundo Sommaruga, o aumento no número de infectados pelo vírus corona nos últimos dias mostra que a Suíça ainda não encontrou o equilíbrio certo entre relaxamento e cautela.

«Na situação atual, temos muita liberdade. Mas o vírus ainda está lá “, disse Sommaruga em entrevista ao jornal “SonntagsBlick”. Por isso, o Conselho Federal agiu novamente e ordenou que a máscara fosse usada no transporte público e a quarentena obrigatória para viajantes que retornam de áreas de risco. “Temos que ter cuidado”.

Como chefe de estado, ela tentou desde o início encontrar um meio-termo nas suas declarações. Existiam várias propostas sobre como lidar com a pandemia. Para o governo, era importante colocar a proteção da população no centro e, ao mesmo tempo, ajudar a economia.

Atravessando a crise com cautela

Mesmo dentro da pandemia, é crucial para ela que o Conselho Federal conduza a crise com um senso de proporção, seja capaz de aprender e esteja aberto a ajustes. Você tem a impressão de que a Suíça fez tudo certo desde o início da crise.

A verdade é que o país não adotou medidas drásticas e nunca foi diretamente contra os cidadãos. Nada de multas, nada de toque de recolher. De modo geral, os suíços não seguem as recomendações do ministério da saúde e a OMS.

Sommaruga admitiu que a obrigatoriedade da máscara poderia ter sido introduzida anteriormente. “Mas queríamos ver como a situação se desenvolvia – agora intervimos quando necessário.”

A representante do conselho federal não aceita críticas da ala cientifica que contestam a decisão da Suíça de relaxar as medidas contra o vírus Corona muito rapidamente. “Muitas regras ainda estão em vigor. Grandes eventos, por exemplo, continuaram proibidos. E os conceitos de proteção para lojas e eventos continuariam a existir”, rebateu Sommaruga.

Os deveres dos Estados

Se as medidas não forem seguidas, os cantões terão que intervir. «Nós relaxamos. Mas isso não significa que agora todos possam fazer o que querem. As medidas de precaução continuam sendo aplicadas, complementadas por máscaras e quarentenas obrigatórias », afirmou Sommaruga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares