Alain Berset e o seu presente de grego

O governo federal demorou vários meses para aprovar a vacina da AstraZeneca, que deve finalmente chegar no final de junho. No entanto, todas as 5 milhões e 300 mil doses serão doadas pelo ministro da saúde.

Depois de um começo conturbado, a Suíça é, de repente, líder mundial na vacinação contra a Covid-19. Esta semana chegam mais 505.000 doses da vacina Moderna, além de 70.000 doses da Pfizer / Biontech. A partir do dia 21, a Suíça recebera toda semana meio milhão de doses da Moderna e 100.000 doses da Pfizer / Biontech. Um total de mais de 2,5 milhões de doses das vacinas chegarão ao país em junho, confirmou Masha Maria Foursova, porta-voz da Agência Federal de Saúde Pública (BAG). Isso significa que a Suíça tem um estoque abundante de vacinas, muito mais do que realmente precisa.

A vacina da fabricante anglo-sueca AstraZeneca não está mais nos planos do governo federal. A Suíça encomendou 5,3 milhões de doses. Havia muita esperança para a vacina. Primeiro, ele não funciona com a nova tecnologia de mRNA, mas de forma convencional. Em segundo lugar, ele precisa de muito menos resfriamento do que as vacinas Moderna e Pfizer / Biontech.

Mas até hoje a vacina, mesmo sendo usada em todo o mundo, não foi aprovada por aqui. Isso pode ser explicado. Em primeiro lugar, a AstraZeneca não forneceu dados suficientes. Os EUA, que solicitaram os mesmos dados e deveriam repassá-los à Suíça, de repente, perderam todo o interesse em aprovar a vacina. Enfim, a vacina chega em Zurique nos próximos dias.

No entanto, a vacina já não é tão popular como no início do ano. Por um lado, isso se deve ao fato de que, em casos raros, a vacinação pode causar trombose em mulheres jovens. Agora, a AstraZeneca na Itália é aplicada apenas em maiores de 60 anos, os mais jovens recebem uma vacina de mRNA. Para finalizar, a AstraZeneca não reage bem às variantes da Índia, do Brasil e da África do Sul.

A tecnologia mRNA. Ao invés de inserir o vírus atenuado ou inativo no organismo de uma pessoa (como a maioria das vacinas atualmente), esse novo imunizante ensina as células a sintetizarem uma proteína que estimula a resposta imunológica do corpo.

Como fica? O resultado de tudo isso é que o ministério da saúde chegou à conclusão de que a vacina deve ser paga pela Suíça, mas não aplicada na população. O Conselheiro Federal Berset anunciou que o governo doaria 5,3 milhões de doses ao programa internacional de ajuda, Covax.

Isso significa que a Suíça se junta à campanha internacional de arrecadação de fundos lançada pelo primeiro-ministro Boris Johnson. A contribuição suíça parece pequena, já que os Estados Unidos doam meio bilhão de doses de vacinas, como anunciou seu presidente Joe Biden.

No entanto, esse ato de solidariedade parece ter outras razões. Nos bastidores, você pode ouvir em Berna que os políticos temem diminuir a disposição da população para vacinar, caso esses relatos de reação a vacina AstraZeneca sejam desencadeados por aqui, como na Itália.

No momento, mais de três quartos da população desejam ser vacinados ou já o fizeram. Se continuar assim, você poderá falar em breve da imunidade de rebanho na Suíça. O governo suíço não quer colocar isso em risco de maneira nenhuma.

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *