Produtos suíços proibidos na união europeia

As empresas da UE se recusam a aceitar produtos da Suíça. Os funcionários das alfândegas do bloco europeu bloqueiam atualmente produtos de exportação e várias empresas de tecnologia médica suíças estão perdendo clientes.

A interrupção das negociações sobre o acordo-quadro com a UE tem consequências tangíveis pela primeira vez. De acordo com a associação industrial Swiss Medtech, duas empresas de tecnologia médica não podem mais fornecer produtos aos seus principais clientes da união europeia. De acordo com a associação, é de se esperar que outras empresas suíças sejam atingidas nas próximas semanas e que então não possam mais exportar seus produtos para a UE.

Agora o por quê. Depois que a Suíça disse um não-definitivo ao acordo-quadro proposto pela união europeia. O bloco político-econômico está dificultando a importação de produtos médicos suíços – como ventiladores, muletas ou seringas – que são novos no mercado. Para surpresa da indústria, a União Europeia anunciou agora que os produtos existentes com um certificado suíço não serão mais reconhecidos na UE – a partir de agora.


Em outras palavras, os certificados suíços perderam o valor na UE de um dia para o outro. Este é um grande problema para a indústria. Daniel Delfosse, membro do conselho executivo da Swiss Medtech, afirma: «Esta decisão da Comissão europeia não é compreensível de um ponto de vista factual. É uma reação à política do Conselho Federal suíço. A indústria suíça de tecnologia médica se tornou um brinquedo na negociação. “

Há uma razão específica pela qual as empresas na UE agora se recusam a continuar aceitando produtos de seus fornecedores suíços: elas têm medo de violar as regras da UE. De acordo com a Swiss Medtech, 65 empresas podem ser irreversivelmente afetadas pelas inesperadas barreiras à exportação – já que muitas ainda hoje carregam produtos com certificados suíços. Também existem problemas na fronteira por causa dos certificados suíços não mais válidos.


O reconhecimento mútuo de certificados entre a Suíça e a UE seria, na verdade, regulamentado no acordo-quadro para desfazer as barreiras técnicas no comércio. Após o fracasso do acordo-quadro, a indústria de tecnologia médica é agora a primeira a ser afetada.

Embora sejam apenas indiretamente afetados pelo caso, os sindicatos também pedem que o Conselho Federal tome medidas mais consistentes contra as tentativas de discriminação por parte da UE. O economista Daniel Lampart afirma que “A UE está violando os contratos existentes. O Conselho Federal não pode simplesmente aceitar isso. Os contratos devem ser mantidos. O Conselho Federal deve levar os incidentes aos comitês responsáveis. Pode até iniciar processos perante um tribunal da OMC.”

O governo federal não quer comprometer a normalização das relações com a UE. Mas é fato que a Suíça e a união europeia assinaram acordos bilaterais, ainda vigentes. Esses contratos continuam inalterados. Aceitar silenciosamente as violações dos contratos existentes, é o oposto da normalização. Normalização que o governo federal procura.

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *